Vereadores pedem que a sociedade contribua nas alterações na Lei Orgânica

O Presidente Bruno Vitor, lembrou que no dia 27, das 18 horas às 21 horas, Dr. Rodrigo estará recebendo todas as preposições para serem incluídas na Lei Orgânica Municipal. Sobre o Campo do Gado, disse: “O local não pode ficar parado. O pequeno agricultor precisa ser incentivado pelo Poder Público”.

Na oportunidade, Bruno Vitor informou que as máquinas já foram direcionadas para as estradas viciais do município: “Dos 15 até o Colônia, descendo pelo quilômetro 12 e 8, e do Lajedo subiu até o Pereira”.

Sobre o Projeto de Lei Nº 180/2019, que dispõe sobre criação da Escola Municipal de Trânsito – EMT, no quadro do Departamento Municipal de Trânsito, para formação de condutores de veículos automotores do município de Capim Grosso, comentou: “Vamos fazer uma Audiência Pública para apresentar este projeto. Vamos convidar os donos de escolas, em busca de parcerias. E o dinheiro para custear esta escola será proveniente da arrecadação do próprio Departamento de Trânsito. Essa é uma ação muito importante, porque sabemos o quanto é difícil arcar com todos os gastos para tirar a habilitação. Principalmente hoje em dia, muitas vagas de emprego exigem este documento. Nosso objetivo é facilitar a vida da nossa comunidade", finalizou.

 

 

O Vereador Nen da Pastoral, parabenizou o apoio que a Prefeita Lydia Pinheiro vem dando ao esporte: “Em muitas cidades, o esporte não encontra o incentivo como aqui em Capim Grosso, principalmente no futebol feminino e no voleibol”.

O edil disse ainda que as máquinas precisam passar na zona urbana: “Pode ficar uma semana na Zona Rural e outra aqui, pois muitas ruas estão precisando de reparos. Fiz alguns requerimentos solicitando a pavimentação de mais algumas ruas do Bairro São Luiz, e acredito que em breve, o competente Secretário de Finanças, Humberto Araújo, direcionará o dinheiro de arrecadação do IPTU para pavimentação desta localidade”.

Sobre o Campo de Gado, falou: “A prefeitura deve criar ações para incentivar os produtores. Daqui alguns anos, vamos ver que ele não está longe da cidade”, finalizou.

 

 

O Vereador Jó Queiroz, fez um levantamento dos atendimentos realizados pela UPA 24 horas: “Sabemos das dificuldades na área da saúde, mas graças a Deus, aqui nós temos um excelente serviço, só nesses últimos três meses, mais de 16 mil pessoas foram atendidas, não só de Capim Grosso, mas também de Quixabeira, São José do Jacuípe, Gavião e até de Jacobina”.

O edil ainda citou as transferências para outras cidades, como Salvador, Feira de Santana, Miguel Calmon e Petrolina e parabenizou os motoristas da SAMU, enfermeiros e todos os profissionais da área da saúde.

“A Prefeitura repassa mais de 250 mil só para a UPA, e mesmo com todas as dificuldades, vem mantendo os atendimentos nos postos de saúde do município”, finalizou.

 

 

O Vereador Nanal Vilas Boas, falou sobre o Campo do Gado: “Falta que a gestão coloque ações para que venha dar utilidade naquele terreno. Essa proposta de ação deveria vir antes até mesmo da sua compra. É o que eu sempre tenho reclamado desta gestão municipal, a falta de planejamento em suas ações, afinal o que está em jogo é o dinheiro público”.

O edil disse que propôs a criação de uma Secretaria de Planejamento, justamente para evitar situações como esta: “Em 2013, quando fiz um projeto de melhoria da feira, eu lotei esta casa com centenas de feirantes, apresentando minha proposta e ouvindo o que eles tinham a dizer. Mas por conta da política, o prefeito da época não quis enfrentar o problema”, afirmou.

Sobre o Requerimento Nº 029/2019, da Promulgação ao Projeto de Lei n° 170/2019, que dispõe sobre a isenção de taxas para alvarás de licença especial de eventos sem fins lucrativos, em cumprimento a Lei Orgânica Municipal, disse: “Este projeto foi aprovado nesta casa há 4 meses, mas até agora o Poder Executivo não deu mínima atenção a um projeto de tamanha importância. No código tributário não consta tal isenção e o município precisa regulamentar”. Quanto ao Projeto 323, comentou: “Também está parado. Só vai beneficiar o servidor, sem prejudicar o município, pois apenas pede que o ajuste salarial aconteça em janeiro e não em maio”.

Deixou um ofício em relação aos ataques de cães na Zona Rural: “Esse é um dilema que tem gerado grandes prejuízos há anos, e não adianta só Capim Grosso fazer sua parte, pois o problema é em nível regional. É necessário que o território da Bacia do Jacuípe provoque uma pauta, incluindo as consequências e apresentando propostas de políticas públicas para todos os municípios”, finalizou.

 

 

O Vereador Jefferson Ferreira, falou sobre o Campo do Gado: “Nós estamos falando do terreno que fica a 2 Km da cidade, inclusive votado pela Câmara de Vereadores. Ele está no perímetro urbano do nosso município, daqui uns anos aquele terreno vai ficar no centro da cidade. A Prefeitura está esperando a última parcela de pagamento para poder fazer a proteção da balança e os reparos necessários”.

Sobre a investigação do processo administrativo aberto pela gestão, comentou: “A prefeitura investigou, através de um processo com direito à ampla defesa, e a colaboradora foi exonerada. Inclusive, a Prefeitura entrou com processo judicial pedindo a restituição dos valores”.

Sobre a Moção de Aplausos e Reconhecimento Nº 007/2019, Ao Coral Municipal de Capim Grosso, por intermédio da Professora de Música, Talita Passos Rios, em reconhecimento ao belíssimo trabalho que vem desenvolvendo no município, comentou: “O coral abrilhantou a nossa cidade com a apresentação no Teatro Castro Alves, colocando a cultura da nossa cidade no lugar que ela merece e, segundo informações, foi uma das mais belas apresentações da noite”.

O edil pediu o apoio da população a seleção que disputará o intermunicipal.

 

O Vereador Antonio Martinho, pediu que a sociedade também contribua com as alterações na Lei Orgânica: “Terça-feira passada, Dr. Rodrigo conduziu uma reunião muito importante nesta casa, bastante esclarecedora. Temos até o dia 27 para trazer indicações para mudanças em nossa lei”.

Sobre o Campo do Gado, comentou: “Inaugurado no aniversário da nossa cidade, em 9 de maio, está abandonado. Gostaria de encaminhar um requerimento a gestão municipal para tomar providência e proteger a balança, que está exposta à chuva e ao sol. Ou retire, porque se alguma pessoa maldosa quiser retirar aquele bem, ficaremos no prejuízo. Falta ações voltadas para o produtor. Além disso, a gestão precisa fazer reparos urgentes nas instalações”.

O edil ainda afirmou que, para muitos, a ida até o curral pode não compensar, se for apenas para comprar de galinhas: “Que a gestão possa ocupar semanalmente a comercialização com outras vertentes, ou a cada quinze dias, trinta ou noventa”.

Finalizou comentando do descaso com as estradas vicinais: “Pontuamos para a gestão as localidades que necessitavam de reparos nas estradas e até hoje não foram feitos. E para aumentar ainda mais a nossa indignação, onde aconteceu o acidente com seu Basílio, que abriu uma cratera, onde foi feita uma passagem molhada, por sinal muito malfeita, ainda não fizeram o reparo”.

 

 

O Vereador Samoel Ferreira, falou sobre Requerimento Nº 030/2019, que reivindica à Mesa Diretora, o envio do expediente a Exmª Prefeita e Secretaria competente, enviar a esta casa, informações concernentes ao desvio de dinheiro do Setor Pessoal da Prefeitura Municipal de Capim Grosso: “Isso foi investigado e está mais do que na hora do município divulgar esse valor, através de um relatório e se o dinheiro vai ser ressarcido”.

Sobre o Campo do Galo, disse: “Estive lá com o colega vereador Antonio Martinho e o local já está completamente abandonando. Local esse que teve um investimento de mais de 100 mil reais. É uma vergonha. Nem o arame sustenta qualquer animal. E mais, por que não compraram um terreno próximo à beira da pista? A intenção era gerar renda para nosso município, mas a balança está lá exposta ao sol e a chuva. Em Quixabeira e Capela deu certo porque fizeram da forma correta, compraram um terreno na localidade correta e ouviram os criadores. A gestão precisa fazer algo que movimente o local”, finalizou.

 

 

 

ASCOM CMV